domingo, 17 de agosto de 2014

'Queria voltar a ser pequeno', diz garoto de 10 anos e 2 metros de altura

Menino tem tumor do tamanho de um limão que estimula produção de hormônio.
Sérgio Gabriel fez exames no hospital universitário do DF e espera cirurgia.


O brasiliense Sérgio Gabriel Gomes, de 10 anos, que sofre de gigantismo, e a mãe Ricardene Ribeiro

 
(Foto: Raquel Morais/G1)

     O brasiliense Sérgio Gabriel Ribeiro Gomes, que aos 10 anos mede quase 2 metros de altura, disse ao G1 que gostaria de ser menor. "O que eu mais queria era voltar a ficar um pouco pequeno, que nem criança. Do mesmo jeito que eu sou, mas sendo normal. Queria parar de crescer."
     Por causa de um tumor benigno do tamanho de um limão no cérebro, o menino produz hormônio do crescimento em uma quantidade muito superior à normal. Calçando 47 e com 1,97 metro de altura, Sérgio gosta de filmes de super-heróis, ainda não aprendeu a ler e não compreende muito bem por que os colegas da mesma idade são bem menores.
      Ele, a mãe e a irmã, que tem 13 anos, sobrevivem com o auxílio-doença de um salário mínimo que a mulher recebe do Instituto Nacional do Seguro Social. Com quadro crônico de hepatite C e evolução na falência dos rins, Ricardene Ribeiro, de 47 anos, não consegue trabalhar para complementar a renda.
     Ricardene diz que escolheu não tratar da própria doença para poder cuidar do filho. No máximo, toma chás para diminuir as dores provocadas pelas complicações da hepatice C. "Não consigo nem imaginar meu filho em um abrigo. As pessoas não o entendem, o veem desse tamanhozão e não compreendem que é criança", declarou emocionada. O pai das crianças morreu em 2008.
 
     Esporte? O que significa isso? Ah, é futebol, correr, essas coisas? Eu não gosto. Eu não consigo. Eu acho que sou gordo ou muito grande. O que eu mais queria era voltar a ficar um pouco pequeno, que nem criança. Do mesmo jeito que eu sou, mas sendo normal. Queria parar de crescer."

     Sérgio Gabriel Ribeiro Gomes, de 10 anos, que sofre de gigantismo Mas o sofrimento da família vai além das dificuldades do garoto para acompanhar as aulas da primeira série da Escola Classe 206 de Santa Maria, no Distrito Federal.
     A mãe afirma também que as chacotas nas ruas são diárias e que por vezes tem que interceder para que não agridam o menino. Além disso, ela conta ter dificuldades para conseguir doações de roupas que se enquadrem no tamanho dele e que frequentemente o caçula bate a cabeça ao passar pelas portas. O menino precisa ainda cortar as unhas todos os dias e ser depilado pela irmã.
     O gigantismo foi descoberto quando a criança tinha 6 anos. Ricardene estranhou o crescimento acelerado do filho e o surgimento precoce de pelos pubianos e decidiu levá-lo ao médico. Na época, ela temia que ele pudesse ter contraído hepatite C durante a gravidez. O resultado dos exames, no entanto, apontou outra realidade.
    Ricardene Ribeiro mostra laudo médico que apontou que o filho Sérgio Gabriel, de 10 anos tem retardo mental

(Foto: Raquel Morais/G1)
    De acordo com os laudos, o menino estava desenvolvendo um tumor na glândula hipófise, que fica na base do crânio e tem o tamanho aproximado de uma ervilha. A indicação era de que ele extraísse o caroço o quanto antes e assim interrompesse a estimulação excessiva para produção do GH – hormônio responsável pelo crescimento, pela retenção de cálcio nos ossos, pela redução do consumo de glicose por parte do fígado e pelo aumento da massa muscular.

Fonte G1
    

Nenhum comentário:

Postar um comentário

COLOQUE SEU NOME NO COMENTÁRIO PARA QUE ELE SEJA ACEITO. Antes de ser publicado, seu comentário será lido pela administração do nosso portal para que possamos assegurar que não exista nenhum tipo de palavreado chulo, de baixo calão, denúncia sem prova, críticas desnecessárias ou quaisquer tipo de difamação ou calúnia. Caso seu comentário venha contribuir para a formação de opinião dos nossos leitores, ele será aceito e postado na íntegra.