quinta-feira, 17 de abril de 2014

Governo aciona 10 mil agentes para fiscalizar estradas na Semana Santa


O governo federal anunciou nesta quarta-feira (16) detalhes da operação para prevenir mortes e acidentes nas estradas durante o feriado da Semana Santa. As rodovias federais terão 10 mil agentes para fiscalizar o trânsito, serão usados 150 radares móveis para multar veículos acima da velocidade permitida e as blitze no caminho contarão com bafômetros para pegar motoristas alcoolizados.
A operação começa à 0h desta quinta-feira (17) e vai até 23h59 de segunda-feira (21). Segundo o Ministério da Justiça, nas últimas operações, nos feriados do Natal, Ano-Novo e Carnaval, a PRF mobilizou 7,5 mil homens para monitorar as rodovias federais.
Neste feriado, a corporação também colocará em operação 1,3 mil viaturas e quatro helicópteros - sendo dois em Minas Gerais e dois na Bahia. Historicamente, os dois estados e o Paraná apresentam alto índice de mortos no feriado da Semana Santa (35% das mortes em acidentes nos últimos três anos).

Segundo o Ministério da Justiça, a PRF concentrará esforços em coibir a velocidade excessiva e a ultrapassagem em locais proibidos. São as infrações que mais levam a colisões frontais, tipo de acidente que mais causa morte. Embora somem apenas 3% do total de acidentes, são responsáveis por 32% das mortes nas rodovias federais. Ainda deacordo com a PRF, mais de 40% das multas se devem a velocidade acima do limite.
Segundo o coordenador-geral de Operações da PRF, inspetor Stênio Pires, os motoristas poderão ser abordados mesmo que não passem por uma blitz. "Se um motorista for abordado, nos casos de irregularidades, a PRF poderá realizar ações desde a exibição de vídeos com instruções a detenção, de acordo com a infração cometida por ele", disse.
A ação será integrada e envolverá Departamentos Estaduais de Trânsito (Detrans), Polícias Militares e Civis estaduais, órgãos municipais e estaduais de trânsito e concessionárias de rodovias. A estimativa da PRF é que a operação custe à corporação R$ 160 mil.
No lançamento da operação, o ministro dos Transportes, César Borges, apresentou as principais razões para a causa de acidentes nas rodovias federais do país. Atualmente, são 65 mil km de rodovias federais.
"As principais causas são imprudência, excesso de confiança, imperícia, consumo de bebida alcoólica e drogas, impunidade, fiscalização ineficiente, potência e estado de conservação dos veículos e condições das rodovias", afirmou.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, se destacaram como rodovias onde houve o maior número de acidentes durante o feriado da Semana Santa de 2013 a BR-040, em Minas Gerais, com 71 acidentes e oito mortes, a BR-116, na Bahia, com 29 acidentes e duas mortes, e a BR-369, no Paraná, com 25 acidentes e três mortes.

Restrição a veículos grandes

Em horários de maior movimento, veículos de grande porte (como treminhões, bitrens e caminhões-cegonha) não poderão circular para melhorar a fluidez do tráfego.
Os horários de restrição para esses veículos serão na quinta-feira das 16h às 24h; na sexta-feira, das 6h às 12h; e na segunda, das 16h às 24h. O motorista que descumprir a regra será multado em R$ 85,13 e receberá quatro pontos na carteira de motorista. Além disso, será obrigado a permanecer com o veículo estacionado até o fim do horário de restrição do dia.
O ministro das Cidades, Gilberto Occhi, disse que a operação deve se repetir em outros períodos durante o ano, como a Copa do Mundo, entre junho e julho, e os feriados da Proclamação da República, em 15 de novembro, Natal e Ano Novo.
"Este trabalho acaba ajudando a combater os acidentes de trânsito, orientando nosso motoristas e ajudando a preservar vidas. (...) E essa operação é importante porque se nós tivéssemos um avião caindo com 120 pessoas diariamente no país, iria chamar muito mais atenção do que essas 120 pessoas que morrem no trânsito todos os dias no Brasil", disse Occhi.
PUBLICIDADE


Nenhum comentário:

Postar um comentário

COLOQUE SEU NOME NO COMENTÁRIO PARA QUE ELE SEJA ACEITO. Antes de ser publicado, seu comentário será lido pela administração do nosso portal para que possamos assegurar que não exista nenhum tipo de palavreado chulo, de baixo calão, denúncia sem prova, críticas desnecessárias ou quaisquer tipo de difamação ou calúnia. Caso seu comentário venha contribuir para a formação de opinião dos nossos leitores, ele será aceito e postado na íntegra.