sábado, 19 de janeiro de 2013

Caracóis gigantes preocupam moradores do Caminho de Dentro, em Paraíba do Sul


O bairro Caminho de Dentro, em Paraíba do Sul, está a braços com uma praga de caracóis gigantes. Ele é de origem africana e é muito perigoso, sendo também uma das maiores espécies de caracóis terrestres.
Seu nome científico é Achatina Fulica, sendo altamente nocivo para a natureza. Alimenta-se de cerca de 500 tipos de plantas, danifica estruturas de gesso e estuque e segrega uma bactéria mortal que pode originar meningite nos seres humanos.
O caracol africano pode chegar a ter 20 cm de largura e dez de diâmetro. A sua média de vida é de nove anos e eles têm órgãos reprodutores de ambos os sexos. Podem produzir cerca de 400 ovos por ninhada, o que equivale a 1200 ovos por ano, por cada exemplar da espécie.
Nossa equipe esteve visitando algumas casas do bairro para registrar esse inusitado momento. Uma grande preocupação foi constatada, pois, além de matarem plantas, os caracóis poderão invadir as caixas de água dos moradores, podendo contaminar a água usada para consumo.
Em menos de 10 minutos, registramos na casa da Dona Marlene Carvalho aproximadamente 25 caracóis fixadas ao redor de sua caixa de água, o que a deixou preocupada. Ela afirmou que seu filho retirou dezenas desses caracóis no dia anterior: “Você tinha que ter vindo ontem, onde meu filho encheu uma bolsa com caracol” – disse Dona Marlene.
Na casa da dona Zezé, também moradora da Rua José Gonçalves, centenas de caracóis foram capturados. Em aproximadamente 15 minutos de nossa visita, que se uniu a moradora e visinhos para recolher os caracóis, um balde ficou completamente cheio.
O morador Lucas Gonçalves afirmou que seu pai recolheu mais de 140 caracóis na última sexta-feira no quintal de sua residência: “Ontem meu pai encheu uma bolsa com 142 caracóis, todos dentro do nosso jardim” – disse o jovem.
Os moradores reivindicam a secretaria de saúde que contrate uma empresa de exterminação de pragas para acabar com a infestação de caracóis na localidade.

Redação | Paraíba do Sul Agora